Segunda-feira, 28 de Setembro de 2015

981964.jpg

 Pela primeira vez, o abrigo em Svalbard, na Noruega, onde são guardadas amostras de todo o mundo, teve um pedido de sementes. Este contentor gelado foi pensado para resistir a cenários de catástrofes.

A guerra civil na Síria obrigou, pela primeira vez, a abrir-se o cofre-forte das sementes, inaugurado em 2008 numa zona montanhosa no Árctico, anunciaram as autoridades norueguesas.

As sementes, que incluem amostras de trigo, de cevada e gramíneas, adaptadas ao cultivo em regiões secas, foram pedidas por investigadores no Médio Oriente para substituir sementes do banco genético que existia perto da cidade síria de Alepo, devastada pela guerra que dura desde 2011.

“Proteger a biodiversidade do mundo é precisamente a propósito do Cofre-Forte de Sementes Global de Svalbard”, disse Brian Lainoff, o porta-voz do Crop Trust, a associação sem fins lucrativos que assegura a conservação e a disponibilidade da diversidade de colheitas de cultivo, e que gere este armazém construído no subsolo da ilha de Svalbard, na Noruega, que fica situada a 1300 quilómetros a sul do Pólo Norte.   

O cofre, que começou a funcionar em 2008, foi construído para proteger as sementes de cultivo – como feijões, arroz ou trigo – contra as piores calamidades que podem acontecer, desde a guerra nuclear até doenças.

Tem mais de 860.000 amostras, oriundas de todos os países. Mesmo que haja um corte na electricidade, o cofre ficará gelado e fechado durante pelo menos 200 anos.

O banco genético de Alepo tem funcionado parcialmente, incluindo o armazém frio, apesar do conflito na Síria. Mas deixou de poder garantir as funções de ser um pólo regional de cultivo de sementes e distribuição para outros países, principalmente no Médio Oriente.

Grethe Evjen, uma especialista do Ministério da Agricultura da Noruega, disse que as sementes foram pedidas pelo Centro Internacional de Investigação Agrícola das Regiões Secas. O centro tinha sede em Alepo, mas em 2012 passou para Beirute, no Líbano, por causa da guerra na Síria.

O instituto pediu cerca de 130 caixas das 235 que depositou no cofre, com um total de 116.000 amostras, disse Evjen à Reuters. As sementes vão ser enviadas assim que os documentos acabarem de ser preenchidos.

Será a primeira vez que se vai retirar sementes do cofre, segundo Grethe Evjen. Muitas vindas da colecção de Alepo têm características de resistência à seca, o que faz delas variedades capazes de resistirem a alterações climáticas e interessantes para utilizar nas regiões secas da Terra, da Austrália a África.

http://www.publico.pt/ecosfera/noticia/a-guerra-na-siria-obrigou-a-abrir-o-cofreforte-de-sementes-do-arctico-1708868

publicado por escolaverde às 10:22


mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
24
25
26

27
29
30


Últ. comentários
bom trabalho
Gostei muitos de poder ajudar a fazer este trabalh...
Gostei muito do nosso trabalho obrigado a quem gos...
Gostei muito do trabalho elaborado pela nossa turm...
Quero agradecer o texto ,pois estamos todas de par...
Muito obrigado pela oportunidade que nos deram. e ...
Gostei muito do nosso trabalho obrigada por terem ...
Gostei muito do nosso trabalho obrigado por também...
Eu gostei muito do nosso trabalho. Obrigada por t...
Muito giro o nosso trabalho. Obrigada a toda gente...